Covid-19: África pode perder USD 88 mil milhões se entrar em recessão – BAD

Covid-19: África pode perder USD 88 mil milhões se entrar em recessão – BAD

O presidente do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) disse que o continente africano pode perder até 88,3 mil milhões de dólares devido à Covid-19, acrescentando que a maioria dos países pode entrar em recessão económica.
“O BAD estima que a Covid-19 possa custa ao PIB de África entre 22,1 mil milhões de dólares, no cenário base, e 88,3 mil milhões de dólares no pior cenário”, disse o banqueiro, num artigo em que analisa as principais previsões do banco para África.
No texto, enviado à Lusa, Akinwumi Adesina disse que “isto é equivalente a uma contracção do crescimento do PIB entre 0,7 e 2,8 pontos percentuais em 2020, sendo até provável que África caia em recessão este ano se a situação actual continuar”.
Adesina alertou que os défices orçamentais deverão aprofundar-se entre 3,5 e 4,9 pontos percentuais, o que aumenta a diferença entre o financiamento necessário e o financiamento recebido para entre 110 e 154 mil milhões de dólares.
“As nossas estimativas indicam que a dívida pública total em África pode aumentar, no cenário base, de 1,86 biliões de dólares no final de 2019 para mais de 2 biliões de dólares em 2020, o que compara com os 1,9 biliões de dólares que prevíamos no cenário sem pandemia”, escreveu Adesina, lembrando que o Banco Mundial, em Março, previa que o valor chegasse a 2,1 biliões de dólares no pior cenário.
É devido a estes números, disse o banqueiro, que são necessárias “acções ousadas”, que passam pela defesa de um alívio na dívida dos países africanos, mais mal preparados para adoptarem as medidas de isolamento social necessárias para conter a propagação da Covid-19.
“Devemos temporariamente adiar a dívida devida aos bancos de desenvolvimento multilaterais às instituições financeiras internacionais”, defendeu Adesina, argumentando que “isto pode ser feito mudando o perfil dos empréstimos, para criar espaço orçamental para os países lidarem com esta crise”.
Segundo esta ideia, o valor dos empréstimos das instituições financeiras internacionais a África em 2020 podia ser adiado, o que significa, esclareceu, apenas um adiamento e não um perdão: “Estou a defender um adiamento temporário, não o perdão; o que é bom para a dívida comercial e bilateral tem de ser bom para a dívida multilateral”, apontou.
O texto de Adesina aborda assim uma das principais questões relativamente ao perdão de dívida que o Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial e outras instituições têm defendido, salientando que, para o BAD, não deve haver um perdão da dívida, mas sim um adiamento dos pagamentos para dar espaço aos países para combaterem a pandemia.
Adiando a dívida em vez de a perdoar evita-se o perigo moral, e as agências de notação financeira ficarão menos inclinadas a penalizar qualquer instituição relativamente ao risco potencial de perderem o estatuto de credor ‘preferido’, ou seja, aquele que recebe sempre em caso de ‘default’ de um devedor.
“As instituições financeiras bilaterais e multilaterais têm de trabalhar em conjunto com os credores comerciais em África, especialmente para adiar os pagamentos da dívida e dar a África a margem orçamental de que precisa”, alertou o banqueiro, que conclui defendendo também o levantamento das sanções económicas e o cessar-fogo por razões humanitárias.
O número de mortes provocadas pela Covid-19 em África ultrapassou as 500 nas últimas horas num universo de mais de 10.500 casos registados em 52 países, de acordo com a mais recente actualização dos dados da pandemia naquele continente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *