Peritos militares no terreno para identificar autoria de ataque armado no centro do país

Peritos militares no terreno para identificar autoria de ataque armado no centro do país

 

O secretário-geral da Renamo disse ontem quinta-feira à Lusa que peritos militares do partido, Governo e da comunidade internacional estão a trabalhar para a identificação dos autores de um ataque armado na quarta-feira a dois veículos, no centro de Moçambique.

Homens armados atacaram na quarta-feira um autocarro de passageiros e um camião em Nhamapadza, distrito de Marínguè, província de Sofala, centro do país, ferindo o motorista e o ajudante de um dos veículos, disseram à Lusa testemunhas.

O local do ataque localiza-se a 200 quilómetros do distrito de Gorongosa, onde o Presidente da República, Filipe Nyusi, e o líder da Renamo, principal partido da oposição, Ossufo Momade, assinam hoje o acordo de cessação das hostilidades militares.

Em declarações hoje à Lusa em Gorongosa, o secretário-geral da Renamo, André Majibire, disse que peritos militares do seu partido, do Governo e do Grupo de Contacto Internacional estão a trabalhar na identificação dos autores do ataque.

“A Renamo não tem conhecimento dos autores dessa acção, mas sabe que o Grupo de Verificação de Cessação das Hostilidades militares está a trabalhar para a identificação dos autores”, declarou André Majibire.

O camião ficou imobilizado na sequência dos tiros e o autocarro conseguiu seguir viagem, mas foi atingido por balas, apresentando furos de projécteis nos lados.

O troço onde ocorreu o ataque foi palco de ataques regulares a veículos durante os confrontos entre as Forças de Defesa e Segurança e o braço armado da Renamo, entre 2013 e 2015.

Os veículos alvejados seguiam na direção Nhamapadza – Gorongosa.

Um jornalista que vive na Beira, capital da província de Sofala, disse à Lusa que, na sequência do ataque ocorrido em Nhampadza, a tripulação de um autocarro de passageiros que devia ter viajado para a cidade de Quelimane, província da Zambézia, também na região centro, adiou a viagem por medo.

O ataque ocorreu algumas horas após o Presidente moçambicano ter anunciado no parlamento que vai assinar hoje o acordo de cessação das hostilidades militares com o líder da Renamo.

Nas últimas semanas, um grupo de guerrilheiros do braço armado do principal partido da oposição alertou o Governo para a continuação da instabilidade militar no país, caso assine o acordo de cessação das hostilidades militares com Ossufo Momade, exigindo a renúncia deste do cargo de presidente da Renamo.

O grupo avisou que não vai aceitar o processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração que se iniciou na segunda-feira, enquanto Momade continuar presidente da Renamo.

One Response

  1. Dercio Miguel diz:

    Agora e que vamos nos recordar do Líder Afonso Dhlakama, quando ele dizia que a guerra terminou, parava mesmo nem mais um tiro ouvíamos nas estradas. Perdemos muito tempo nas brincadeiras o homem se foi e esta agora!
    Não há consenso dentro da Renamo, e deste jeito irão surgir mas descontentes e assim a situação vai piorar e quem vai sofrer e o povo que não tem nada a ver com o que os políticos ambicioso/gananciosos.
    Assim iremos as eleições com problemas e depois voltaremos aos encontros na sala de conferencias Joaquim Chissano com mediadores , a gastar rios de dinheiros esse que o pais não tem!
    Que pena coisas de moçambique

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *