Governo de Moçambique prevê novos projectos de gás e de petróleo até 2024

Governo de Moçambique prevê novos projectos de gás e de petróleo até 2024

A segunda fase do projecto de gás natural em Pande e Temane e do de petróleo leve em Inhassoro, na província de Inhambane, sul de Moçambique, irão ter lugar no quinquénio 2020/2024, afirmou quinta-feira (02/04) em Maputo o primeiro-ministro.
Carlos Agostinho do Rosário, que intervinha na sessão de apresentação e apreciação do Programa Quinquenal do Governo (PQG) 2020-2024 no parlamento, adiantou que aqueles dois projectos serão os que se deverão destacar no âmbito dos grandes investimentos a serem executados naquele período de cinco anos.
A esperança do primeiro–ministro estende-se igualmente ao início da produção do projecto de exploração e liquefacção de gás na plataforma flutuante do Coral Sul da Área 4 na bacia do Rovuma e o início dos projectos na Área 1 da mesma bacia, no âmbito do qual é prevista a instalação de dois módulos de liquefacção do gás natural na localidade de Afungi, na província de Cabo Delgado, norte de Moçambique.
O primeiro-ministro disse ainda que no respeita à energia eléctrica o objectivo para o quinquénio será conseguir electrificar todos os postos administrativos do país, depois de ter sido concluído o processo de electrificação das sedes distritais, segundo a agência noticiosa AIM.
Para o efeito, no âmbito do Programa Energia Para Todos, neste presente quinquénio irá ser construída a central termoeléctrica de gás natural em Temane, concluída a construção das centrais de painéis solares de Metoro e Pemba, em Cabo Delgado e Cuamba, em Niassa, assegurada a construção de duas centrais mini-hídricas de Berua, na Zambézia e Luaisse, no Niassa e concluída a construção da linha de transporte eléctrica de alta tensão Cuamba–Marrupa.
Com estes projectos, o primeiro-ministro crê que Moçambique irá aumentar em 3,8 milhões o número de consumidores de energia da rede eléctrica nacional, o que fará com que a taxa de cobertura da população com acesso a energia de qualidade passe dos actuais 34% para 63% em 2024.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *