A vida depois da ponte

A vida depois da ponte

A inauguração, com o selo de maior ponte suspensa d’África, foi um happening. Seis meses depois, fazemos um retrato da vida depois da ponte, não enquanto um lugar, mas enquanto um tempo em que a vida seria mais fácil – e é, mas não para todos.

 Sopravam os primeiros ventos da manhã, mas já só réstias do frio da madrugada. Os raios de sol sugeriam espasmos de verão. O inverno continuaria, quando a noite chegasse. Foi assim naquela segunda-feira e também nos dias que se lhe seguiram.

Leia mais na edição impressa do Zambeze

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *